O DN está a promover um debate público sobre o plano de revitalização da Baixa-Chiado. Participe com a sua opinião.

.Participe

Envie a sua mensagem para aqui.

.posts recentes

. Não compliquem

. Um exemplo prático

. Reabilitar a Baixa Pombal...

. Tarefa para dezenas de an...

. O que a Baixa pode (deve)...

. Baixa pombalina: o devido...

. Baixa-Chiado, um nada que...

. A autenticidade da memóra

. Receber bem os turistas

. Entre colunas, refundamos...

Sábado, 11 de Novembro de 2006

O museu de Arte Antiga no Terreiro do Paço

Pedro Infante Mota

Docente Universitário

 

Atendendo à importância do turismo para o nosso país e ao peso cada vez maior do chamado turismo cultural, não seria bom reforçar a componente cultural do espaço Baixa-Chiado?
Por exemplo, em vez de realizar as obras de ampliação do actual Museu Nacional de Arqueologia (as obras do metro no Terreiro do Paço levam-me a crer que os custos estimados para as obras de ampliação serão seguramente ultrapassados), não seria melhor instalá-lo no Convento do Carmo?
De certeza que seria um espaço privilegiado para todos os que amam Lisboa. E compreende-se que a Sociedade de Geografia de Lisboa, detentora de um património museológico de inegável qualidade, continue de portas fechadas, por falta de dinheiro para realizar obras importantes e indispensáveis.
E as obras de ampliação do Museu do Chiado? Sempre faladas e sempre adiadas, por falta de dinheiro.
E agora uma utopia minha: que lindo ficaria se fosse instalado o Museu Nacional de Arte Antiga no Terreiro do Paço.
Custaria, certamente, muito dinheiro, mas far--se-ia justiça a uma das praças mais bonitas do mundo. Cumprimentos a todos.

publicado por O provedor às 16:50
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De F. Rebelo a 19 de Novembro de 2006 às 20:43


PRAÇA PORTUGAL

Não há, em Lisboa, qualquer homenagem toponímica a Portugal.
Existe em Cascais, a Avenida de Portugal, mas em Lisboa, não há rua, nem avenida, praça, largo, beco, boqueirão, travessa, impasse, escadinhas: nada com nome de Portugal!
Há, em Lisboa, a Praça de Espanha, Avenida do Brasil, Avenida dos Estados Unidos da América, Avenida do México, ruas da Guiné, Angola, Moçambique, Macau, Malaca, Timor, Cabo Verde, S. Tomé, Chile, Brasil, Av. da Índia, dois becos da Índia, Praça do Império -
–de Portugal, nada!

É chegada a altura de colmatar a lacuna, dando nome de Portugal a uma Avenida, Praça ou Rua, de Lisboa!
Terá que ser uma Avenida ou Praça, de grande dimensão e nobreza, e de perfeita localização.

PROPONHO QUE SE PASSE A CHAMAR - PRAÇA PORTUGAL - AO TERREIRO DO PAÇO, OU PRAÇA DO COMÉRCIO!

Não estaremos a tirar um nome para pôr outro, dado que se baptizará uma Praça que nunca teve nome, a não ser, derivado da função: foi Praça do Comércio, porque ali se exercia o mister, foi Terreiro do Paço, porque ali se situava o mesmo. Continua a chamar-se, a gosto, do Comércio, embora ali não haja hoje qualquer tipo de comércio, ou do Paço, apesar de já ali não ser o dito. Não são nomes, são locais, como o “Campo das Cebolas”, o “Terreiro do Trigo”, o “jardim do Tabaco”, que celebram mercados específicos, que foram de grande importância, noutros tempos.
Outros locais sem nome há, na nossa cidade, como o Campo Grande, o Campo Pequeno, e o infalível Entre Campos. Há rua e travessa do Jardim, rua do Jardim do Regedor, dos jardins da Água e, curiosamente, a Azinhaga, o Largo, a Rua e Travessa, do Jogo da Bola!
Agora que as autoridades pretendem tirar da Praça do Comércio os ministérios que, durante anos tornaram parte do local um parque de estacionamento caótico privado, e se pretende conferir à mesma a nobreza que merece, pois que

- A REABILITAÇÃO DA BAIXA POMBALINA SERÁ FUNDAMENTAL PARA QUE SE POSSA CANDIDATAR A PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE”...

- ASSEGURANDO-LHE UM LUGAR DE DESTAQUE ENTRE AS MAIS BELAS E MAGNÍFICAS PRAÇAS EUROPEIAS E, EM SIMULTÂNEO, COLOCAR LISBOA E PORTUGAL COMO UM LUGAR CIMEIRO ENTRE OS DESTINOS TURISTICOS A NÍVEL MUNDIAL.” (in Diário de Notícias),

- é a oportunidade de lhe dar, finalmente, nome! De fazer o Terreiro... e/ou Praça... deixar de ser o “lugar” do Paço ou do Comércio e passar a ser


A ENTRADA DE LISBOA,
A SALA DE VISITAS DA CIDADE,
A SALA DE VISITAS DA CIDADE,
O CENTRO DO PAÍS!


- É com Nome, e Nome Digno, já que, pela sua beleza, pela sua monumentalidade, pela sua localização, pela sua origem, pela sua história, a Praça dignifica o Nome que lhe propomos dar.

A Praça inclui o único Arco de feição Triunfal de Lisboa, o Arco da Rua Augusta, começado a construir-se em 1755 (arq. Veríssimo José da Costa) e concluído em 1873, encimado pelo grupo alegórico da Glória coroando o Génio e o Valor (escultor Calmels), acima da inscrição: “ Virtutibus Maiorum ut sit omnibus documento. P. P. D.” E inclui ainda figuras aos rios Douro e Tejo, e as estátuas de Nun’Álvares e Viriato, à esquerda, e do Marquês de Pombal e de Vasco da Gama, à direita (Gr. Encicl. Portuguesa e Brasileira).
Nenhuma outra Praça de Lisboa tem mais dignidade e vulto para o nome; nenhuma outra é mais apropriada, pela sua majestade e dimensão; pela situação, à entrada da Cidade, que é fronteira do Tejo; porque tem o Paço, que foi Real; porque tem, paredes meias, o Arsenal, onde nasceram as Naus da nossa Epopeia; porque tem o Arco de Triunfo, porque terá sempre o Cais das Colunas, por onde a Cidade entra o Rio, onde pairavam e atracavam naus, caravelas, todos os barcos, e onde, segundo consta, ficará em permanência a Fragata D. Fernando e Glória e a Crioula e a Sagres (Ribeira das Naus);

PORQUE NO CENTRO ESTÁ A ESTÁTUA DE D. JOSÉ, QUE FOI REI DE PORTUGAL.

Espero a concordância de todos para a Campanha desta Iniciativa, de que lanço a Primeira Pedra:
RESPONDAM TODOS COM O VOSSO APOIO,
DIVULGUEM A IDEIA,
FAÇAM FLUIR A CAMPANHA COMO TORRENTE IMPARÁVEL :
dirijam-se ao BLOG http://pracaportugal/.blogspot.com/
A SALA DE VISITAS DA CIDAD

Comentar post

Últimas notícias do DN sobre a Baixa-Chiado

.Dezembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds